Feeds:
Posts
Comments

Andalé

Tenho estado MUITO ocupado ultimamente, sem poder atualizar o blog. Por essa e outras, esse será meu último post do ano. Sairei de Sydney dia 19 de Dezembro pra ver minha terra natal querida, da qual FUGI 39 meses atrás. Lá, espero matar a saudade da familia, frequentar inúmeros lugares legais, rever amigos, jogar basquete, fazer cirurgia no olho, jantar a comida da mamãe e me casar. Coisas do dia-a-dia, sabe?! heh. Ainda preciso passar pela check-list dos afazeres antes do grande dia da viagem: lavar o carro, comprar lembrançinhas pra galera, levar as plantas na vizinha, arrumar as malas e a casa, comprar roupas novas e curtir com amigos os ultimos dias antes de vazar! Oh beleza! Isso tudo me fez lembrar do meu primeiro dia aqui em Sydney, quando cheguei no aeroporto e conheci minha “host mother”, Marilyn. Era um dia lindo de sol. Fomos de carro até Wollongong onde moravam. Dormi as 6 da tarde e acordei no dia seguinte as 4 da manha! Maravilha!

Joinha

Até meu chefe veio me perguntar qual era a banda tocando no meu iTunes. Eu disse: “Little Joy“. Ele gostou. Eu também gosto. É um tanto triste, mas ao mesmo tempo relaxante e suave. Next Time Around e Brand New Start são muito boas de ouvir na psicina, com amigos, garantindo lembranças nostalgicas no futuro. Se tu nao presta atençao na letra, até dá pra dizer que ele canta em portugues. É estranho ouvir uma voz conhecida cantando em outra língua, ainda mais quando os instrumentos e a batida são identicos aos usados com o Los Hermanos. Aliás, o som é Los Hermanos all the way, sem dúvida. Thanks torrentscan. Thanks California.

Little Joy

minha noiva me ama…

Sobre as tragédias em SC, recebo o seguinte comunicado e repasso:

Por mais que teorias e leituras mil nos falem sobre isso ainda é surpreendente presenciar como uma tragédia desse porte pode fazer aflorar no ser humano os sentimentos mais nobres e os seus instintos mais primitivos. As cenas e situações vividas neste final de semana prolongado em Itajaí nos fizeram chorar de alegria, raiva, tristeza e impotência. Fizeram-nos perder a fé no ser humano num segundo, para recuperar-la no seguinte. Fez-nos ver que sempre alguém se aproveitará da desgraça alheia, mas que também é mais fácil começar de novo quando todos se dão as mãos.

Que aquela entidade superior que cada um acredita (Deus, Alá, Buda, GADU etc.) e da forma que cada um a concebe tenha piedade daqueles:

– Que se aproveitaram a situação para fazer saques em Supermercados, levando principalmente bebidas e cigarros

– Que saquearam uma farmácia levando medicamentos controlados, equipamentos e cofres e destruindo os produtos de primeira necessidade que ficaram assim como a estrutura física da mesma.

– Que pediam 5 reais por um litro de água mineral.

– Que chegaram a pedir 150 reais por um botijão de gás.

– Que foram pedir donativos de água e alimentos nas áreas secas pra vender nas áreas alagadas.

– Que foram comer e pegar roupas nos centros de triagem mesmo não tendo suas casas atingidas.

– Que esperaram as pessoas saírem das suas casas para roubarem o que restava.

– Que fizeram pessoas dormir em telhados e lajes com frio e fome para não ter suas casas saqueadas.

– Que não sentiram preocupação por ninguém, algo está errado em seu coração.

– Que simplesmente fizeram de conta que nada acontecia, por estarem em áreas secas.

 

Da mesma forma, que essa mesma entidade superior abençoe:

– Aqueles que atenderam ao chamado das rádios e se apresentaram no domingo no quartel dos bombeiros para ajudar de qualquer forma.

– Os bombeiros que tiveram paciência com a gente no quartel para nos instruir e nos orientar nas atividades que devíamos desenvolver.

– A turma das lanchas, os donos das lanchinhas de pescarias de fim de semana que rapidamente trouxeram seus barquinhos nas suas carretas e fizeram tanta diferença.

– À equipe da lancha, gente sensacional que parecia que nos conhecíamos de toda uma vida.

– Aos soldados do exército do Paraná e do Rio Grande do Sul.

– Aos bravos gaúchos, tantas vezes vitimas de nossas brincadeiras que trouxeram caminhões e caminhões de mantimentos.

– Aos cadetes da Academia da Polícia Militar que ainda em formação se portaram com veteranos.

– Aos Bombeiros e Policias locais que resgataram, cuidaram , orientaram e auxiliaram de todas as formas, muitas vezes com as suas próprias casas embaixo das águas.

– Aos Médicos Voluntários.

– Às enfermeiras Voluntárias.

– Aos bombeiros do Paraná que trabalharam ombro a ombro com os nossos.

– Aos Helicópteros da Aeronáutica e Exercito que fizeram os resgates nos locais de difícil acesso.

– Aos incansáveis do SAMU e das ambulâncias em geral, que não tiveram tempo nem pra respirar.

– Ao pessoal do Helicóptero da Polícia Militar de São Paulo, que mostrou que longo é o braço da solidariedade.

– Ao pessoal das rádios que manteve a população informada e manteve a esperança de quem estava isolado em casa.

– Aos estudantes que emprestaram seus físicos para carregar e descarregar caminhões nos centros de triagem.

– Às pessoas que cozinharam para milhares de estranhos.

– Ao empresário que não se identificou e entregou mais de mil marmitex no centro de triagem.

– A todos que doaram nem que seja uma peça de roupa.

– A todos que serviram nem que seja um copo de água a quem precisou.

– A todos que oraram por todos.

– Ao Brasil todo, que chorou nossos mortos e nossas perdas.

– Aos novos amigos que fiz no centro de triagem, na segunda-feira.

– A todos aqueles que me ligaram preocupados com a gente.

– A todos aqueles que ainda se preocupam por alguém.

– A todos aqueles que fizeram algo, mas eu não soube ou esqueci.

Quantum of Solace

Tenho que admitir que o tempo está passando muito rápido. Acho que já foram 3 semanas desde que a Márcia se foi, e faltam apenas 23 dias pra eu viajar de FÉRIAS. Não tiro férias decentes desde a ida pra Bali, em Setembro de 2007. Vai ser ótimo. Pra me despedir da Australia (temporariamente) e também do estado de solteiro, tenho pensado em me reunir com amigos ali no Hugos Lounge, em Kings Cross. Tenho que resolver essa parada logo. Amanhã iremos ao cinema ver o novo filme do 007. Acho que não vou me arrepender. 

PS: Plantei uma semente no ALGODÃO. Nunca fiz isso e tô duvidando que sairá algo de bom disso. Alguém tem alguma dica? Eu só peguei uma semente de planta, enterrei no meio do algodão e molhei. Tá em cima de um PIRES. heh. espero que funcione.

concordo com o título desse post. Como adoro um feijão preto. Se tu tem feijão pronto, é só meter uma carne no meio e um arroz ou batata e tu tá feito. Fiz 1 kilo no domingo que deve me durar mais umas 4 refeições, ótimo! Fim de semana bombou de novo. O Nego passou aqui e fomos no aniversário do Daniel, canadense parceiro com um sotaque engraçado. Ele tem uns amigos legais tambem, além de nós. heh. Um inclusive vai se casar, na França, ano que vem. É estranho como se começa a notar coisas comuns em outras pessoas, principalmente quando algo acontece diferente na tua vida. Por exemplo, nunca tinha visto muitos Peugeot’s 307 na estrada. Quando nós compramos o nosso, comecei a perceber muitos. Nesse caso, mais um entre vários que fico sabendo que vai casar, justamente quando EU vou me casar. Acredito que as semelhanças estão sempre em volta, mas depende da nossa mudança de percepção. Como observado pelo Nego, todos ali no Wharf Bar, de Manly, pareciam RICOS e bem de vida, inclusive nós. hehe. É que esse bar fica ao lado do porto de Manly, onde chega os Ferry Boats da city e tem uma bela vista e móveis bonitos. De lá, passamos em Dee Why pra dar os parabens pra Marcia, uma amiga mais das antiga! foi uma boa tarde. No dia seguinte, descanço. Ia rolar um Parkour com o Nego, mas choveu de manhã e resolvemos cancelar. A dona do apartamento veio aqui visitar. Daí passei na casa do Macaco pra comemorar de novo o niver da Marcia, com um churras belezinha. Jogamos o jogo das 20 perguntas, com o tema “pessoas famosas”, idéia que me veio devido ao vicio nesse jogo online.

Doctor Rob

Na metade de 2007, um cara apareceu aqui na loja. Ele era meio velho, cara de rabugento. Acabou que ele virou nosso primeiro Técnico de Serviço oficial da loja. Ele tinha certificados e conhecimento suficiente pra mandar no departamento, que antes consistia apenas de um guri chamado Paul, que é parceiro mas meio preguiçoso, sem qualificaçao reconhecida pela Apple. Esse cara era o Robert Talveski, conhecido como “Triple R” e “Dr. Robert”. As vezes eu chamava ele de Talevski Talevski Enterprises. Nascido na Macedonia, veio pra Australia ainda jovem e chegou a morar em Melbourne por vários anos. Um fanático por carros da Porsche e cachorros, leva um jeito meio “conquistador de mulheres”, compra tudo pelo eBay e é viciado em noticias do governo dos EUA. Teve vezes que eu suspeitava que ele era um agente da CIA. Uma legitima FIGURAÇA, o Rob tem seus dias de emburrado e muitas vezes foi grosso e estupido com colegas de trabalho e tambem com clientes. Mas o genial é que pelo menos eu sei que ele tem um coraçao mole e por isso sempre tratei ele com respeito e amizade. Nessa segunda-feira, o Rob foi demitido. Ao longo desses quase dois anos, foram entrando outros técnicos e ele foi ficando pra trás no quesito empenho e eficiencia. Hoje, vir pro trabalho e não ver o Rob é estranho. O único lado bom é que agora os clientes não vão conesguir confundir o nome dele (Rob) com o meu (Rod), o que acontecia em inumeros casos. Que o Rob siga adiante com sua vida e que ele ache algo que o interesse! Boa sorte meu chapa e obrigado pelas caronas!

Abaixo, algumas fotos do nosso ultimo encontro da Mac Centre, no Pub aqui na esquina.

Quem foi o mala que estabeleceu que durante o dia se tem tres refeiçoes: café, almoço e janta? que bosta. Esse cronograma não bate muito bem com meu corpo. Acordo com MUITA fome, quase passando mal. Como torrada, maçã, presunto, queijo, cereal…tomo leite e café, vitamina C. Isso às 7h15. Às 10h já to mau de novo de fome. Se eu esticar até 11h30, já quase morro. Então, é quase que um “almoço” cedo. Dai, 3 da tarde já pega de novo a fome. Janta seria ideal às 19h, para depois comer outra leva antes de dormir, às 10 e meia da noite…para então acordar de novo VERDE de fome. Que lixo!